O secretário de Estado da Saúde, Geraldo Medeiros, ratificou a alta demanda por leitos de UTI e enfermaria na Paraíba e destacou a mudança do perfil dos internados. “Modificou em relação a março. Na população acima de 60 anos há um decréscimo de quase 30%, já hoje, quase 70% da população internada tem menos de 49% entre 30 e 49 anos”, disse.

A ocupação no Sertão está em 95%, em João Pessoa 79% e em Campina Grande 82%. “É um momento de aquecimento alta demanda de internamento e, por isso, importância das pessoas entenderem que é momento crítico, continuem usando máscara, muitos município s pequenos e bairros das cidades maiores as pessoas continuam sem máscara, sem manter o distanciamento físico e a lavagem de mãos, utilizando álcool gel”, comentou.

A informação foi complementada pelo diretor geral do Complexo Hospitalar de Doenças Infectocontagiosas Clementino Fraga, o infectologista Fernando Chagas. Ele acrescentou que do começo do ano até abril houve um crescimento no número de óbitos entre 30 a 39 anos de 353% e de 40 a 49 anos de 419%. “Precisamos analisar a questão da vacinação, a população acima de 70 anos está mais imunizada e se protege mais, já os jovens estão sendo mais acometidos e perdendo suas vidas”, disse.

Decretos

O secretário afirmou que a determinação do Estado é para que qualquer ambiente que promova encontro e aproximação de pessoas, mesmo com todos os protocolos, eles podem contaminar. “Esse cenário foi mostrado na alta ocupação de leitos de UTI e de enfermaria. O decreto do Governo, que não é tão rígido, propicia principalmente aos sábados e domingos que os segmentos essenciais, como bares e restaurantes funcionem até às 16h e academias fechadas. Esse é o norte. Existem opiniões distintas e esperamos que a Justiça tenha a exata dimensão do cenário epidemiológico da Paraíba”, alertou.

Marília Domingues