Ministro do STF: Wilson Santiago colocou mandato a serviço de agenda criminosa

single-image

O ministro Celso de Mello afirmou que o deputado Wilson Santigo, do PTB da Paraíba, pôs seu mandato a serviço de uma agenda criminosa. A avaliação foi feita pelo ministro ao determinar o afastamento do parlamentar, que foi alvo da Operação Pés de Barro, em dezembro.

Na volta do recesso, em fevereiro, o plenário da Câmara vai decidir se mantém ou não o afastamento de Santiago.

Desse modo, o conjunto de dados indiciários antes referido – registrados em arquivos de som e imagem – parece indicar, em suporte ao pedido de afastamento cautelar do mandato parlamentar ora em análise, que o congressista sob investigação pôs seu mandato a serviço de uma agenda criminosa, em ordem a dar concreção, no plano factual, à sua aparente “auri sacra fames”, degradando-se o ofício legislativo, em tal contexto delinquencial, à subalterna condição de instrumento destinado a alimentar corruptas venalidades”, escreveu o ministro.

A PF chegou a pedir a prisão do deputado, mas Celso de Mello considerou o afastamento da Câmara como medida mais adequada diante da “probabilidade de utilização das prerrogativas inerentesa ao ofício parlamentar para o fim espúrio de propiciar, em favor do congressista em referência, a continuidade e a subsistência do aparente esquema de corrupção instaurado por esse investigado, cujo alegado plano criminoso, por ele próprio concebido, teria encontrado suporte, segundo se sustenta, nas atividades de estruturada organização criminosa”.

O decano afirmou ainda que ao que tudo indica, o deputado  “convertera o seu mandato parlamentar em plataforma de ações delituosas, dirigidas, todas elas, para o fim de obter, à margem das leis da República, inadmissíveis (e criminosas) vantagens de caráter pessoal”.

Celso cita as imagens de assessores recebendo suposta propina do empresário que delatou o esquema.

Leave a Comment

Your email address will not be published.