Hoje no encontro com Fátima Bernardes, a História do Gari Pirpiritubense

single-image

A História do Gari Ednilson de Pontes Silva (Deninho), contatada por este Blog, será tema de uma conversa ao vivo na Globo nacional no programa Encontro com Fátima Bernardes nesta quinta as 10:30min. Ele já está nos estúdios da Globo.

Deninho é gari na Prefeitura de Pirpirituba e se formou na UEPB no curso de História, defendeu o Trabalho de Conclusão de Curso com sua farda e escolheu justamente a profissão para objeto de estudo, segundo o mesmo, ele sentiu a necessidade de abrir uma discussão sobre a invisibilidade de uma profissão que passa despercebida aos olhos da sociedade brasileira.

Confira a História:

Ednilson de Pontes Silva, mais conhecido por Deninho, casado, pai e gari concursado desde 2011 na Prefeitura Municipal de Pirpirituba. Na terça-feira (11) com sua farda do trabalho apresentou o Trabalho de Conclusão de Concurso em História pela Universidade Estadual da Paraíba em Guarabira, trabalho que ao final levou um 10 da bancada e trouxe aos presentes lições de vida.

Deninho entrou para a Universidade dois anos após assumir o concurso, como a maioria dos jovens, no início teve vergonha de contar a colegas qual profissão exercia, isso uns dois períodos, mas com o passar do tempo foi sentindo que aquilo não devia o envergonhar, pois fazia de forma honesta e passou a  enxergar o valor que cada colega seu de mais idade dava ao trabalho. Assumiu para si o quão era digno o que fazia e decidiu durante o curso aprofundar-se e ser uma voz em defesa dos que até hoje parecem invisíveis para a sociedade.

Trabalho, desigualdade social na contemporaneidade: reflexões sobre a invisibilidade dos agentes de limpeza urbana (gari). Com este tema o TCC foi uma inspiração de Deninho, não só pelas descobertas de teorias das pesquisas, mas pela prática vivida no dia a dia, uma oportunidade de expressar a visão de quem vive o que naquele instante estava sendo apresentado a uma plateia que com certeza nunca mais passará sem perceber os até então “invisíveis” sociais.

Professores, alunos, amigos esposa e filha, estas foram as testemunhas da emoção de um jovem que encontrou na História uma forma de contar a sua História e de tantos outros que não querem nada demais, apenas serem vistos como parte da sociedade.

Leave a Comment

Your email address will not be published.